Mutirão Diabetes Blumenau

30/11/2019 no Setor 2 da Vila Germânica das 08:00 as 13:00

Por quê do Mutirão?Mutirão Diabetes Blumenau

O mutirão de Diabetes de Blumenau

Nascido em 2018, o Mutirão de Diabetes de Blumenau, foi inspirado pelo modelo de sucesso de 15 anos da Cidade de Itabuna na Bahia, que é hoje uma referência na prevenção e tratamento da doença no Brasil e no mundo.

O Mutirão é destinado a pessoas com diagnóstico de Diabetes, assim como orientação e educação em saúde do diabético e demais serviços voltados aos familiares e cuidadores de pacientes, visando atingir principalmente áreas carentes, com o objetivo de prevenir as complicações causadas pela patologia como: cegueira, amputação, insuficiência renal, entre outras.

Através de grande campanha de mobilização social e informação com diversos serviços multidisciplinares, são realizados procedimentos médicos especializados, como avaliação do fundo do olho, pé diabético, avaliação renal e bioquímica, e nos casos graves tratamento a laser da retina. Ao conciliar orientação, prevenção e tratamento, o Mutirão do Diabetes de Blumenau proporciona a melhoria da qualidade de vida de milhares de pacientes de uma doença silenciosa, responsável pela maior parte dos casos de morte, falência renal, cegueira e amputações no Brasil.

A parceria com a Prefeitura Municipal de Blumenau, permite não só mobilizar os pacientes com diagnóstico de diabetes para que façam esta avaliação no mutirão, mas também registrar esses dados em seus prontuários para que essa informação seja perene e utilizada no seu acompanhamento nos postos de saúde.

Na parte de exames médicos: nesta segunda edição do mutirão, em 2019, teremos 350 voluntários, incluindo profissionais de saúde de nossa região e de outras partes do nosso país, em um trabalho estimado de mais de 1500 pacientes diabéticos examinados.

Feira do Diabético: teremos na área do mutirão alguns stands para orientação dos pacientes com diabetes, orientação nutricional, educação física, cuidados com os pés do diabético entre outras.

Campanha de detecção: esse trabalho será feito pré-mutirão através da ADVALI e Núcleo de Atenção ao Diabetes (NAD) da PMB, em sua campanha anual conforme programação já amplamente divulgada pela entidade.

Por que participar?

As principais atividades no evento incluem as seguintes avaliações:

a) Fundo de Olho / Mapeamento de Retina

A Retinopatia Diabética, comumente, incapacita para o trabalho pessoas na faixa etária dos 30 aos 75 anos. A principal causa de cegueira irreversível nesta faixa etária, porém se realizados exames preventivos e tratamento com laser nos casos indicados, poderá ser evitado os estados avançados da doença que podem levar cegueira em muitos destes pacientes. Se a doença for detectada precocemente e com tratamento adequado, os riscos da cegueira podem ser reduzidos em mais de 80%. O melhor tratamento para a Retinopatia Diabética é o controle clínico adequado e, nos casos graves, através da Fotocoagulação a Laser da retina.

O Mutirão conta com 10 médicos oftalmologistas e em torno de 30 estudantes de medicina, para executarem a primeira parte do projeto, coordenados pelo Dr. Fernando Penha, que é composta por preenchimento de questionário de levantamento de dados epidemiológicos e pelo exame de FUNDO DE OLHO, onde todos os diabéticos são encaminhados por 10 médicos oftalmologistas especializados em retina, que realizam exame de mapeamento da retina sob dilatação pupilar e, nos casos graves, aplicação de LASER, já iniciada no Mutirão e completada nas semanas subsequentes. (Capacidade estimada de atendimento: 1000 a 1500 pacientes para mapeamento de retina e 150 pacientes para o tratamento com Fotocoagulação a LASER, o qual será agendado posteriormente pela SEMUS).

b) Exame do pé diabético

O Pé Diabético, uma das mais importantes e devastadoras complicações do diabetes, formada pela neuropatia, insuficiência vascular periférica e trauma/infecção. Dados epidemiológicos brasileiros indicam que as amputações de membros inferiores ocorrem 100 vezes mais frequentemente em pacientes com diabetes melito.

Dos diabéticos que sofreram amputação, mais da metade terão a amputação do membro contralateral no período de 3 a 5 anos. Isso implica em altos custos de hospitalização, assim como em termos de afastamento do trabalho, curativos, efeitos sociais e emocionais e reabilitação.

Nesta segunda fase dos Exames Médicos do Projeto todos os pacientes são submetidos ao exame triagem do PÉ DIABÉTICO através de uma equipe formada por aproximadamente 30 acadêmicos de enfermagem, previamente treinados para o exame do pé diabético, e monitorada por uma equipe multidisciplinar (em torno 5 a 8 profissionais) formada por médicos angiologistas e de enfermagem especializada.

Pacientes são organizados em bancos de frente por Acadêmicos de enfermagem previamente capacitados para detecção de complicações no pé do Diabético, tomando como base os parâmetros: PULSO, SENSIBILIDADE (Monofilamento), INSPEÇÃO e CALÇADOS.

Esta fase é coordenada pela Profa. Enfa. Carmen Lilian, do Curso de Enfermagem da FURB e os Enfermeiros Mayte e Felipe, ambos referência no município para o exame do pé diabético no NAD – PMB e patrocinada pelos cinco Lions Clubes da Cidade de Blumenau

c) Exame para Nefropatia Diabética

A Nefropatia Diabética acomete cerca de 40% dos pacientes diabéticos e é a principal causa de insuficiência renal em pacientes que ingressam em programas de hemodiálise. Cerca de 40% dos pacientes podem morrer no primeiro ano de tratamento, principalmente por doença cardiovascular.

Esta terceira etapa é caracterizada pelo exame de triagem para a detecção da NEFROPATIA DIABÉTICA, onde exames específicos são realizados nos pacientes com retinopatia diabética grave. Equipe multidisciplinar formada por nefrologistas, acadêmicos de medicina, enfermagem e bioquímicos participam desta estação.

Os pacientes realizam exames de sumário de urina (avaliação da Proteinúria por fita), medida da pressão arterial e feito a solicitação do exame de creatinina. O atendimento é coordenado pelo grupo da Nefrologia da Associação Renal Vida (Dr Roberto Benvenutti e Enfermeiro Jerry).

d) Orientação Médica

A quarta etapa do projeto é a ORIENTAÇÃO DO PACIENTE, neste setor todos os questionários clínicos são recolhidos com os resultados dos exames médicos e da entrevista clínica, para posterior avaliação epidemiológica, e os pacientes são encaminhados para contra referência com um documento informativo, o Cartão do Diabético com os resultados e classificação da doença no fundo de olho (grau da retinopatia diabética) e do grau de acometimento do pé diabético, além de quando novo exame fundoscópico ou do pé diabético será necessário de acordo com a gravidade da doença, além de encaminhamentos caso necessite para tratamentos adicionais de se maior gravidade.

Após o Mutirão é realizado o LEVANTAMENTO CLINICO-EPIDEMIOLÓGICO, com a criação e avaliação do Banco de dados clínicos e epidemiológicos do Mutirão por Grupo de Pesquisa Multidisciplinar em Diabetes, com possibilidade de apresentações em congressos e vários artigos publicados em revistas medicas. Além de informações úteis do perfil dos pacientes para futuras políticas de saúde pública.

Também é realizado o curso prévio de CAPACITAÇÃO DAS UNIDADES BÁSICAS EM DIABETES para receber e conduzir estes pacientes durante o ano.

Organização

Apoio

Realização

Colaboração

Scroll Up